22 de dez de 2010

Faz alguns milhões de tempos...

...que não apareço por essas bandas. Mas fugindo a clichelice de blogueiros senso-comum, não vou postar aqui desculpas ou coisas do tipo. Um favor ao ciberespaço. A verdade é que muita coisa interessante me aconteceu e eu gostaria de as compartilhar. Aber futuramente, weil estou um pouco sonâmbula no presente momento. Mas deixo de antemão alguns tópicos que trarei mais adiante: Winterkurs Düsseldorf, Omniavatar, Andira Folk, Couch Surfing.

Bis dann!

17 de out de 2010

Pérolas do finado Jornal do Piauí - Ovnis

Essa semana comecei uma pesquisa pro Pibic/UFPI no arquivo público de Teresina. A priori, devo analisar o antigo Jornal do Piauí, o finado JP, entre os anos de 1968 a 1972 e tentar detectar textos que tem algo a ver com a chegada da TV no Piauí. Mas não tem como passar batido por algumas coisas que aparecem por lá, desde os textos corriqueiros com um linguajar incrível dos nativos teresinenses da época ate matérias sensacionais, como a que vou transcrever a seguir.

Ainda não sei que fim teve o JP (quando achar algo a respeito, posto aqui), mas ele começa a circular por aqui em 30 de setembro de 1951 e era propriedade da empresa "Publicidade Teresinense Ltda". O diretor responsável era o jornalista José Vieira Chaves e na falta desse exercia a função Deoclécio Dantas, então diretor executivo do jornal. Em meados da passagem de 1968 pra 1969, Dantas já não aparece mais no expediente como diretor e passa a assinar somente algumas notas e uma coluna. Na época o JP custava NCR$ 0,20 no dia e NCR$ 0,25 quando era comprado com atraso. (eita... bons tempos!). As matérias nunca eram assinadas, como nos artigos e crônicas. Algumas vezes colocavam a fonte de onde retiraram a a matéria (como a que vem a seguir, que foi retirada do Jornal Estado de São Paulo). O detalhe é que naquela época não se preocupavam em fazer chamada de capa, só cortavam o texto ao meio e continuavam onde desse certo. Por isso demorei um pouco a entender a dinâmica do jornal (e começo a me incomodar profundamente lendo os jornais de hoje).

Bem, vou parar de enrolar e jogar a primeira pérola na escrita original. Não vou sacanear os escritos da galera, mas vou destacar em amarelo as partes mais "LOL" ou "WTF" e em vermelho as partes do tipo "saudade da aurora da minha infância". Vocês decidam o que dizer:

Jornal do Piauí - Teresina, 10 de dezembro de 1968

Discos Voadores Sob Debates
Manchete da capa 


A cada 2 horas, em algum lugar do mundo, é registrada a aparição de um disco voador. Isso não quer dizer que êles sejam inumeráveis, porque como voam muito depressa, vários registros podem referir ao mesmo disco. Entretanto, até agora já existem relatórios sôbre um milhão de aparições e só no Brasil, nesse ano, os discos surgiram 20 mil vêzes.

Quem afirma isso é o Instituto Brasileiro de Astronáutica e Ciências Espaciais e a Associação Brasileira de Estudo das Civilizações Extraterrestres, que estão realizando em São Paulo, no auditório das «Fôlhas», no 3° Colóquio Brasileiro sôbre os Objetos Aéreos não Identificados e o 1° Simpósio Nacional sôbre as Civilizações Extraterrestres

O presidente das duas sociedades, Flávio A. Pereira, fêz uma longa conferência explicando que os serviços secretos de todos os países, as  «CIAs», os «007» tentam há muito tempo desencorajar os cientistas que estudam as aparições de discos. O que sucede segundo os cientistas é, que os discos são capazes de bloquear grandes redes de energia elétrica, aparecem onde querem, mesmo sôbre bases secretas de lançamento de misseis e ninguém consegue nada contra êles. Seria por isso que quem descobrisse seu segredo poderia ter informações muito importantes e, assim, os governos das 2 maiores potências do mundo estudam os discos mas em segredo, tentando evitar que os cientistas e entidades civis tratem do assunto.


Um Disco Voador, a Cada 2 Minutos
Continua Quarta Página





Apesar dessas restrições, no Brasil estão sendo estudados, catalogados e identificados e os membros das 2 sociedades que tratam do assunto entendem que já sabem bastante sôbre os «objetos voadores não identificados.

As duas associações tratam do mesmo assunto, mas enquanto a Associação Brasileira do Estudo da Civilizações Extraterrestres é a entidade pública, que congrega todos os grupos estudiosos do País e divulga o que consegue saber, o Instituto Brasileiro de Astronáutica e Ciências Espaciais é uma entidade que quase não aparece, porque pertence a ela a «comissão confidencial». Essa comissão encarrega-se de levantar em sigilo os depoimentos sôbre aparições, guardando ainda o nome das testemunhas que, muitas vêzes, não querem que nada seja divulgado, porque podem passar por lunáticos.

No colóquio, estão representados todos os grupos que tratam do assunto havendo representantes de São Paulo, do Rio Grande do Sul, de Itajubá, Belo Horizonte, Guanabara, Manaus, Araçatuba e Botucatu, num total de 30 estudiosos.

Para a Associação faz muito tempo que os discos visitam a Terra; na Bíblia, Zacarias fala em um rolo voador e Ezequiel também teria visto essas naves. Os navegadores do fim do século XV também viram discos quando singravam os mares em caravelas, mas só há pouco tempo, com a melhoria dos sistemas de comunicações, é que puderam ser identificadas as grandes ondas de discos.

A primeira - são ainda os estudiosos da Associação que falam - teria surgido em 1897, mas a mais conhecida é a de agôsto de 1947, quando em poucos meses surgiram, só nos Estados Unidos, 2 mil discos. Muita gente acreditava que o aumento das aparições era cíclico de 20 meses, e com base nesses dados houve quem tentasse identificar a procedência, verificando de que astro deveriam vir, que estivesse a 26 meses de distância da Terra. Agora, entretanto, os discos não param mais de aparecer, e por isso a teoria caiu por terra, dizem.

Entretanto, desde as aparições de 1987 até hoje, os discos teriam mudado muito. Naquele tempo êles tinham rodinhas externas, houve alguns que se acidentaram, mas atualmente são homogêneos, quase todos iguais e muito mais evoluídos, a ponto de «acarretarem uma porção de rupturas com a física moderna». Assim, vão contra a lei da gravidade, a lei da inércia, contrariam a teoria do atrito com a atmosfera a grande velocidade, fazem manobras bruscas de mudança de rum que são consideradas impossíveis. E «desafiam a barreira energética atualmente conhecida, usando a energia fenomenológica, a energia radiante de que o espaço está repleto».

COMO SÃO OS TRIPULANTES?

Os estudiosos não concordam quando às intenções dos tripulantes dos discos; há quem ache que êles são hostis, já que houve casos de rapto e ataques, mas êstes casos são raros. A maioria concorda que as intenções são pacíficas, já que em caso de perigo os extraterrenos usam armas que paralisam mas não matam. Se as intenções fôssem hostis, êles já teriam tomado a Terra, porque são capazes de apagar a luz de grandes áreas, de paralisar qualquer pessoa, de gerar campos de fôrça, e não se preocupam com nossas armas.

Depois de estudar milhares de relatórios e separar as «aparições verdadeiras dos depoimentos falsos», os estudiosos chegaram à conclusão de que os tripulantes são humanóides, que divergem entre si em estatura, côr, e também em comportamento. Entendem, entretanto, que as diferenças podem ser como as diferenças entre o branco, o negro ou o amarelo. Só na Suécia é que foram vistos monstrengos descendo dos discos. Isso foi em 1954. Na França, ninguém sabe por que razão todo viajante interplanetário prefere descer de escafandro. Mas, no resto do mundo êles aparecem como são, isto é, verdes, brancos ou escuros. Têm desde 2 metros de altura até os mais baixinhos, de 1,40 metro. Na América do Sul, também por motivos desconhecidos, quem tem descido dos discos são tripulantes grandões, com 2 metros de altura.

Apesar de saber tudo isso, há ainda 3 perguntas não respondidas: de onde vieram, como vieram e o que querem.

Os membros da Associação entendem que ainda demora para se ter as respostas. Um dêles afirma que, quando o problema for resolvido, a ciência moderna pode ser destruida, porque "é uma ciência de efeitos e não causas e tudo o que se fêz até agora em astronáutica foi obra da tecnologia e não da ciência".

Somente na nossa galáxia, dizem os entendidos, existem 50 bilhões de estrelas - 8 por cento das quais têm um sistema planetário. Dêsses sistemas, pelo menos 3% têm condições para que neles haja vida. Por isso, afirmam, é muito pouco provável que o homem esteja sozinho no Universo e que seja a civilização a mais adiantada. Por tudo isso, os estudiosos reunidos no 3o Colóquio não têm dúvidas de que os discos existem, querem sòmente mais detalhes, mais estudos para saberem exatamente quem vem e o que querem. E enquanto os tripulantes dos discos não se dignam a explicar, êles continuam estudando. 
(do Jornal Estado de São Paulo) 

3 de out de 2010

Em quem NÄO votar


Num sujeito que faz isso nas vias públicas. Nem lembro da cara, mas certamente NÄO voto no sujeito de número 6565.

18 de jul de 2010

The 50´s flower



this is the begining of a long trail
I am walking alone in a path of gold
not happy, but I am quite fine
I am back to the 50s´s, I am back just to find
a life with no reason, also no need to fail
I´m back just to have a cool hairstyle


there comes a man holding a fistiful of flowers
they are gray, beautiful white-black roses
I have no door to close at his face
so I just took the gray side of life
and made them look brighter
not colorful yet, but a little bit free
the  beautiful white-black roses
the gentle ignored man gave to me

(Renée Moura, 2010)

Just a perfect day

dancing in the ice
we both swirling arround each other
alone among the crowds
we both smiling to each other
you said I fell, but I learned something new
I said I did, but only because of you


and the song started to fade away
across the refuge, there came the rain
we in a cabin, you just said
“you look so beautiful”, in a way
in my mind is this the memory that remains
but only the fantasy of a perfect day
cause I was dancing alone in the rain


(Renée Moura, julho 2010)

4 de jul de 2010

Deus e o Diabo na terra do sol

Fui selecionada pra participar do curso de Cinematografia Eletrônica Digital, ministrado pelo especialista em audiovisual Carlos Ebert. Tava olhando pelo blog do Núcleo de Produção Digital Fotógrafo José Medeiros, pra saber um pouco mais sobre o curso, e acabei encontrando links pra algumas produções locais e nacionais. Uma boa dica pra ver no restinho da noite.




"Quero me topar com ele de homem pra homem, de Deus pra Diabo".

3 de jul de 2010

Sobre o amor dos que esperam demais

Por aí na blogosferidade da vida, encontrei um post no blog da Léia Lima com as fotos de uma tirinha que pintaram na parede em frente aos banheiros do CCE, ali perto do bloco de música e jornalismo. 

Fiquei muito feliz de alguém ter registrado aquilo! Pois com a reforma do CCE, passaram a tinta por cima dessa tirinha demasiadamente filosófica, que trata das expectativas do ser humano em relação ao amor.

O amor, aquilo tudo que já ouvimos falar, é algo bem como essa tirinha: começa com uma felicidade e euforia enormes, vai murchando, caindo, até que um dia vem alguém e passa uma tinta por cima. 

E assim o amor é apagado como se nunca tivesse existido e talvez outras pinturas se façam por lá. Mas quem pintou aquele amor ali sabe, que para sempre lá ele estará. (filosofei)

Para ver a tirinha completa, clica aqui.

28 de jun de 2010

Missão OnDaf

Meu 7 de junho começa um mês antes, quando fico sabendo pelo Carlos Rocha sobre as bolsas para o Winterkurs do DAAD,  um curso de seis semanas pra estudar alemão na Alemanha. O DAAD oferece uma bolsa de 2800 euros + seguro de saúde. A princípio, eu deixei queto, pois um dos pré-requisitos para candidatar-se é o chamado Test OnDaf, no qual eu deveria tirar uma tal nota B1. Não fazia ideia de como chegar a esse resultado, primeiro porque só havia estudado os dois primeiros livros que juntos correspondem ao nível A1; segundo porque língua alemã não é o forte da cidade onde moro. 

Eu fiz uma boa base no curso de alemão oferecido pelo Colégio Dom Barreto, aqui em Teresina. Pensei até em continuar, mas passar 2 níveis em apenas 1 mês é inconcebível em aulas semanais. Sei que tive uma loucura e pedi pro Rafael Marinho baixar uns livros pra mim. Foram os livros da Hueber, Themen 2 e 3, que equivalem aos níveis A2 e B1 de alemão respectivamente. Passei 28 dias - e especialmente noites/madrugadas - estudando esses livros, apesar de saber que isso poderia não ser suficiente. Com a ajuda do dicionário do site Pauker - e bote ajuda nisso! O melhor dicionário online que já achei - e de vários blogs da galera que já passou pelo OnDaf, milhares de visitas às comunidades que falam disso no Orkut e twittadas com o pessoal que também ia fazer o teste esses dias, fui seguindo até a data da prova. De 3 em e dias fazia o teste-exemplo (Beispieltest) do próprio site do OnDaf pra testar meus progressos.

O teste deve ser marcado com antecedência e poucos lugares oferecem. As informações sobre os locais onde se aplicam tais provas estão no próprio site do OnDaf e na página que explica sobre a bolsa do DAAD. Fui encontrar vaga somente na UFPA, para o dia 7 de junho ao meio dia. Através do CouchSurfing encontrei uma menina que já fez o Winterkurs e ela me ajudou a encontrar o lugar da prova, além de ter me dado dicas, contado as histórias da viagem pra Alemanha e ter me apresentado uma galera super legal lá de Belém.

A prova foi um fiasco... mas o resultado me deixou demasiadamente feliz: tirei o tal B1! Fiz 70 pontos numa prova de 160. Pra você conseguir o B1, basta tirar 65 pontos. O nivelamento da avaliação funciona mais ou menos assim:

A1 e A2 - nível básico - até 64 pontos
B1 e B2 - nível intermediário - a partir de 65 pontos
C1 e C2 - nível avançado - ainda não sei quantos pontos, mas o mais próximo de 160.

É uma provinha "simples", na qual devemos preencher as letras que faltam nos finais das palavras e grande segredo tá em não errar muito nas declinações. O caos maior é que são 8 textos e você tem só 5 min pra cada texto. E não se preocupe, pois a página fecha sozinha caso o tempo se esgote! O resultado sai na hora, assim que você termina a prova.


Passado o caos do OnDaf, reuni o resto da documentação e mandei pro DAAD no Rio de Janeiro e espero demasiadamente ser chamada.

O que pude concluir da minha louca jornada foi que os cursos de idiomas enrolam muito a gente. Estudei inglês numa escola de idiomas em Teresina por nada menos que 7 anos e saí de lá sabendo quase diabo algum... O meu estudo intensivo de alemão me rendeu o equivalente a uns dois anos - quem sabe até mais - comparando com uma escola tradicional. 

Minha dica é: na escola de idiomas, aprenda só o básico. Se você quer muito aprender um idioma, existem meios menos mercenários de conseguir isso. Quanto a certificação, fique tranquilo, pois o certificado da escola não vale coisa alguma. Se você precisar comprovar sua proficiência fora do Brasil, você vai ter que fazer outro teste de qualquer forma. 

E se você encontrou esse post perdido por ai e também está louco por que vai fazer o OnDaf, só deixar um comentário com as dúvidas que eu respondo com maior prazer :)
PS: Fui chamada pelo DAAD! Estudei em Düsseldorf por 6 semanas de janeiro a março de 2011 e foi a experiência mais incrícvel da minha vida :DDD


***

Como recebi muitos comentários com perguntas sobre plano de estudos e materiais, escrevi este post extra. Clique aqui para acessar o post com algumas dicas e links! :)

Por favor, não publiquem seus endereços de email aqui! Escrevam as dúvidas para ehocaos@hotmail.com que eu respondo direitinho ^^


E como sempre demoro a respoder os emails (desculpa desculpa desculpa!) aqui vai um link com os materiais que usei. Os arquivos em formato .djvu podem ser convertidos pra .pdf aqui.

22 de jun de 2010

Como resolver o problema das postagens repetidas

Essa semana decidi mudar o template do blog. Aí me aconteceu de as postagens aparecerem repetidas na página inicial, além de conter dois elementos de página intitulados "Postagens do Blog". Vi que isso não aconteceu só comigo e muita gente não conseguiu resolver e teve que buscar outro template. O problema acontece com alguns modelos e tem uma solução bem simples.

No painel inicial vá em Design e clique em Editar HTML. Aperte crtl+F pra abrir o mecanismo de busca do seu browser - no meu caso, o Chrome abre um campo de busca no canto superior direito. O Firefox abre o campo no canto inferior esquerdo - e digite "Postagens no Blog" (sem as aspas). Vão aparecer dois códigos assim:

< b:widget id='Blog1' locked='true' title='Postagens no blog' type='Blog' / >
< b:widget id='Blog11' locked='true' title='Postagens no blog' type='Blog' / >

Delete um deles - no meu caso, deletei o que apareceu "Blog 1" -  e salve o modelo e clique pra visualizar. Se tiver tudo ok, clique para salvar o modelo. O Blogger vai perguntar se você realmente deseja excluir o widget "Blog 1". Clique em ok e prossiga. Veja lá se deu certo. Espero ter ajudado!

29 de mai de 2010

Apaga incêndio

Me diz o que tem a ver essa matéria do G1 com a disputa eleitoral? Fora mostrar o padrãozinho que falei no post anterior, saber se o candidato toma água ou sai gritando nao contribui muito na discussão mais importante, que sao as ideias dos presidenciáveis para mudar este país. E como chamada, aparece a seguinte foto:


É a mesma lógica do texto anterior. Mas agora, a candidata Marina Silva, ao centro, é desqualificada por estar gritando enquanto os demais bebem água. Pode-se interpretar de outra maneira também, que enquanto eles cuidam de si e se calam, Marina se estraga mas fala ao país. Uma terceira interpretação é mais próxima do real, eu acho: nao interessa o quanto Marina berre, ela nao tem chances.

26 de mai de 2010

Preparar - apontar - fogo!!

A marcha rumo a guerra mor do Brasil tem apertado cada vez mais o passo. Eleições estão bem aí e agora vale tudo pra abitolar a galera alheia à situação. Agora que estudei um pouco sobre análise de discursos (AD) - meio que forçosamente pra um trabalho de um certo adorável professor, temido por todos alunos de jornalismo da UFPI - eu fico procurando enunciadores em tudo que vejo por ai. Apesar de achar que a lorota da AD é inútil pra quase tudo - não venha me convencer que você pode mudar alguma coisa com isso, porque não pode e pronto - algumas coisas curiosas tem se mostrado intencionalmente pra mim esses tempos, tipo uma foto dos candidatos a presidência de 2010 na chamada desta matéria do G1. Essa foto está nas chamadas da página inicial do G1 a não sei quanto tempo e sempre me atiçou a curiosidade. Hoje resolvi falar dela. Eis a dita cuja:

Segue a linha respectivamente: Esquerda, direita, esquerda.

Não sei se foram invertidas, mas a posição das mãos do pessoal ai "denunciam" suas respectivas posturas políticas, não é engraçado? Além disso, enquanto os dois primeiros candidatos, a contar da esquerda, apontam o dedo pra cima, a última abre a palma da mão como se fosse dar um tapa em alguém, além de direcionar a mão para baixo.

Isso pode ser uma mensagem subliminar do G1 pra dizer que os dois primeiros até podem ajudar no progresso do país, mas a última só vai criar o caos, vai dar um bofete tão grande na nossa pátria que nem consegue disfarçar. E esse bofete vai atrasar o país. Como se diria na AD, são enunciadores que se posicionam na imagem pra afirmar a posição partidária dos candidatos - esquerda ou direita - e enunciadores que se posicionam afirmando seu parecer sobre quais candidatos eles apóiam e quais eles discordam. E blá blá blá dialogismo enunciação sentido num sei das quantas.

E olhem só a subliminar da intenção de voto:




Mas que diabos é isso afinal? Desde quando a Globo "atira pra tudo quanto é lado"? Isso ainda não sei, pois não cogitei sobre as vantagens que os respectivos candidatos trariam a mencionada empresa de comunicação. Mas uma coisa é certa: já prepararam, já apontaram...agora falta o fogo. Vamos esperar, que aí tem.


19 de mar de 2010

Inauguração do Metrô de Teresina



Hoje pela manhã fui à inauguração do Metrô de Teresina, na estação do Shopping da Cidade. Afinal, não é todo dia que se inaugura alguma coisa aqui, em especial algo que vá trazer algum benefício ao "povão". O metrô "novo" passou quando eu estava a caminho da estação, mais ou menos na altura da ponte Metálica. Lá na frente vinham os senhores imperadores de Teresina e do Piauí. Achei "zuada" do "novo" metrô bem menos incômoda.


Caminhei mais um pouquinho, até chegar à estação, sempre atenta ao olhar de curiosidade das pessoas. O comentário do dia era a inauguração. Cheguei na estação mais ou menos umas 9 e alguma coisa. Lotada. Tinha gente representante de todas as espécies que se imagina: políticos, trombadinhas, jornalistas, civis atacando de jornalistas, estrangeiros, o pessoal da época do Alberto Silva... Ah sim, o pessoal da época do Alberto Silva... Que bonitinhos! Estavam todos bem arrumadinhos, demasiadamente felizes por conta da ocasião. Até eu fiquei feliz em ver.



Tava rolando aquele besteirol de políticos e também uma homenagem ao idealizador da obra, o lendário Alberto Silva. Mas acho que faltou uma homenagem ao pessoal que trabalhou na obra durante esses sete anos, debaixo dessa lua maravilhosa que ilumina esse pedaço de chão chamado Teresina.



Enfim, fui lá dar uma sacada no meio de transporte. É um metrô recauchutado, com alguns detalhes feitos em péssima qualidade - como por exemplo o silicone do isolamento das janelas, que dizem ser blindadas. As portas já estavam quebradas porque sempre tem um pessoal que é naturalmente inquieto com o próprio benefício. Algumas das lâmpadas estavam sem o plástico de isolamento lateral, expondo alguns fios. Mas o "novo" metrô é infinitas vezes melhor que o rudimentar que rodava por esses tempos.

O pessoal todo já sentadinho nas cadeirinhas "novas", pintadinhas de azul (em especial o pessoal bonitinho o qual me referi anteriormente). Eu fiz o mesmo e descobri o porque: o ar-condicionado é ótimo! Essa etapa, ao menos, deu certo.


Um dos vagões centrais estava fechado, ainda estava em "reforma" (sem os acentos, lâmpadas, câmeras...nem o chão tinha sido limpo. Ah sim, câmeras de segurança vigiam cada vagão. Espero que sirva pra alguma coisa, porque as pessoas aqui tem essa mania de querer destruir as coisas - é um povo sem costume, como diz minha avó.


A estação em si tem uma boa estrutura. Escadas rolantes, muito espaço. Mas senti falta de informações e outras coisas úteis. Por exemplo, um lixeiro. Debaixo das toneladas de ferro da estação não havia um cestinho sequer. O metrô também não contava com nenhum tipo de orifício destinado aos despejos variados de seus passageiros.

Além disso, senti falta dos avisos de proibido fumar, dos sinais de reserva de acentos para idosos, gestantes, deficientes, ect. Não havia um mapa ou qualquer tipo de informação sobre o trajeto, os horários e os telefones para contato. E o mais importante: não haviam instrumentos que facilitassem a fuga em caso de acidente, não existiam extintores de incêndio, enfim, nenhum aspecto básico de segurança.

"Andei" no metrô novo até a estação Central, onde voltamos à realidade local: longas esperas e, claro, nenhuma informação.

Mas, esperamos agora que a inauguração traga alguma noção de cidadania pra´s pessoas. Vamos ver quanto tempo dura o não lançamento da primeira pedra!

4 de fev de 2010

Google não sabe de tudo

Recentemente, li várias reportagens aqui na Alemanha que tratam sobre a onisciência do Google. O principal temor é o de que a empresa possa usar a "sobrecarca" de dados sobre sua vida contra você mesmo. Aqui a situação é ainda mais complicada, uma vez que o governo é declaradamente contra o Google.  Outro escândalo recente tem abaado as relações diplomáticas entre Alemanha e Suíça. Algum safado achou por ai dados de aproximadamente mil pessoas que estariam sonegando impostos na Alemanha e aplicando o dinheiro em contas suíças. Mas isso não vem ao caso com muita urgência.

Particularmente, não tenho nada contra a empresa Google e uso vários de seus produtos, que até agora se mostraram a melhor solução em termos de web. Mas nós pobres civis nunca estaremos cientes do que há por trás das intenções de entidades ligadas ao capitalismo.

Vi a no Mundo Gump uma dica sobre um site chamado Googlism, que busca todas as referências feitas à determinada palavra na web. Pode ser qualquer "que", ou quem ou quando. Decidi testar com meu nome:

 

Aí diz: "Desculpe, Google ainda não sabe o suficiente sobre renée moura". Por um lado fiquei um pouco incomodada com minha total ausência na vida virtual - no sentido de não ser notada, admirada, odiada, sei lá - mas aí percebo que a vida real não é tão diferente disso, me deixando um tanto contente com minha neutralidade. 

Por outro, fiquei muito feliz, pois mostra que estou de certa forma protegida contra as possíveis tiranias, acredito, não só do Google, mas de qualquer outra inteção maldosa que por ventura encontre meus dados por aí.

19 de jan de 2010

Por que nao ser jornalista - parte 1

Porque agora todo mundo odeia o Boris e daqui a uns tempos vao odiar todos os jornalistas. Avalanche opinativa: siga os outros, é mais fácil ;) E claro, por esse outro motivo:



Comentários do post Boris Casoy ofende garis ao vivo no “Jornal da Band”, do Blog Sedentário & Hiperativo.

4 de jan de 2010

A view on luck and happiness



Filminho que ajudei o kleiner a fazer. Vamos tentar uma série, com alguns episódios que sempre trarao alguma mensagem embutida. Depois comento aqui cada uma. No momento, estamos gravando o segundo episódio.