19 de mar de 2010

Inauguração do Metrô de Teresina



Hoje pela manhã fui à inauguração do Metrô de Teresina, na estação do Shopping da Cidade. Afinal, não é todo dia que se inaugura alguma coisa aqui, em especial algo que vá trazer algum benefício ao "povão". O metrô "novo" passou quando eu estava a caminho da estação, mais ou menos na altura da ponte Metálica. Lá na frente vinham os senhores imperadores de Teresina e do Piauí. Achei "zuada" do "novo" metrô bem menos incômoda.


Caminhei mais um pouquinho, até chegar à estação, sempre atenta ao olhar de curiosidade das pessoas. O comentário do dia era a inauguração. Cheguei na estação mais ou menos umas 9 e alguma coisa. Lotada. Tinha gente representante de todas as espécies que se imagina: políticos, trombadinhas, jornalistas, civis atacando de jornalistas, estrangeiros, o pessoal da época do Alberto Silva... Ah sim, o pessoal da época do Alberto Silva... Que bonitinhos! Estavam todos bem arrumadinhos, demasiadamente felizes por conta da ocasião. Até eu fiquei feliz em ver.



Tava rolando aquele besteirol de políticos e também uma homenagem ao idealizador da obra, o lendário Alberto Silva. Mas acho que faltou uma homenagem ao pessoal que trabalhou na obra durante esses sete anos, debaixo dessa lua maravilhosa que ilumina esse pedaço de chão chamado Teresina.



Enfim, fui lá dar uma sacada no meio de transporte. É um metrô recauchutado, com alguns detalhes feitos em péssima qualidade - como por exemplo o silicone do isolamento das janelas, que dizem ser blindadas. As portas já estavam quebradas porque sempre tem um pessoal que é naturalmente inquieto com o próprio benefício. Algumas das lâmpadas estavam sem o plástico de isolamento lateral, expondo alguns fios. Mas o "novo" metrô é infinitas vezes melhor que o rudimentar que rodava por esses tempos.

O pessoal todo já sentadinho nas cadeirinhas "novas", pintadinhas de azul (em especial o pessoal bonitinho o qual me referi anteriormente). Eu fiz o mesmo e descobri o porque: o ar-condicionado é ótimo! Essa etapa, ao menos, deu certo.


Um dos vagões centrais estava fechado, ainda estava em "reforma" (sem os acentos, lâmpadas, câmeras...nem o chão tinha sido limpo. Ah sim, câmeras de segurança vigiam cada vagão. Espero que sirva pra alguma coisa, porque as pessoas aqui tem essa mania de querer destruir as coisas - é um povo sem costume, como diz minha avó.


A estação em si tem uma boa estrutura. Escadas rolantes, muito espaço. Mas senti falta de informações e outras coisas úteis. Por exemplo, um lixeiro. Debaixo das toneladas de ferro da estação não havia um cestinho sequer. O metrô também não contava com nenhum tipo de orifício destinado aos despejos variados de seus passageiros.

Além disso, senti falta dos avisos de proibido fumar, dos sinais de reserva de acentos para idosos, gestantes, deficientes, ect. Não havia um mapa ou qualquer tipo de informação sobre o trajeto, os horários e os telefones para contato. E o mais importante: não haviam instrumentos que facilitassem a fuga em caso de acidente, não existiam extintores de incêndio, enfim, nenhum aspecto básico de segurança.

"Andei" no metrô novo até a estação Central, onde voltamos à realidade local: longas esperas e, claro, nenhuma informação.

Mas, esperamos agora que a inauguração traga alguma noção de cidadania pra´s pessoas. Vamos ver quanto tempo dura o não lançamento da primeira pedra!

Nenhum comentário:

Postar um comentário