24 de set de 2009

O Dirceu é um mundo

Pra vocês não acharem que só posto coisa ruim desta cidade esquecida pelas divindades ocidentais, vou falar sobre um aspecto bom daqui. Não é daqui exatamente, mas é de uma quase outra cidade que fica a sudeste daqui. Estou me referindo ao Grande Dirceu, que engloba todos aqueles bairros periféricos ali de perto.

Fui hoje ao Renascença II comer uma pizza numa tal Pizzaria do Jorge com a Iarazona e sua cambada - aniversário dela, da Iarazona, claro. O caminho de ida foi meio massante. Da UFPI para o Renascença, passei cerca de uma hora saculejando dentro do famoso Rodoviária Circular I lotado - aquele típico de 18h.

Chegando no bairro, encontrei a Iarazona e fomos até a tal pizzaria. No caminho, paramos numa nova lojinha de metal, daquelas bem novinhas mesmo. E passava longe de ser tão poser quanto a MORAL . Tinha só umas camisas de bandas, alguns dvds de shows e alguns porns. Entrei lá meio sem botar fé - o dono tinha a maior cara de teresinense forrozeiro - mas depois vi que lá é bem legal.

O dono parece que foge à ignorância local, conhecendo algumas bandas do meio metal e, acreditem, conhecendo até o Wacken da Alemanha - não que ele já tenha ido lá...que eu saiba.

Lá eu encontrei um dvd do Enslaved, que por acaso estou assistindo neste exato momento. É um show na Polônia, o Live Retaliation. Nem preciso dizer o queão fu...do é o tal show!!! E vou laparecer á novamente  pra comprar uns dvds do Dimmu Borgir e uns do Amon Amarth.

Comi meus dois pedaços de pizza e fui pra parada de ônibus às 20:45. Esperei pelo ônibus que chegou somente às 21:30 e desci em casa somente às 22:30 - ao menos fui sentada numa cadeira dessa vez. Os minutos de espera renderam muitas conversas revoltantes com algumas amigas que me acompanharam. Mas nada que deva ser dito assim tão abertamente - certas coisas é melhor manter pra si mesmo ou divulgar somente quando você tiver dinheiro pra sair da cadeia.

Sei que hoje voltei pra casa feliz e menos revoltada com este mundinho chamado Teresina, porque percebi que esse não é o único mundinho das adjacências. Talvez não seja nada tão astrondoso ter  uma loja de metal no seu bairro. Mas pra mim, que moro num pedaço de chão esquecido pela juventude e pela sensatez, uma loja de metal seria um oásis.

A única coisa que azedou minha volta foi o nojo que senti daquelas pessoas à porta do tal Liver Pub ali na tal avenida Dom Severino. Aquela gente muito "rica" que anda de carro bonito e cabelo espixado, mas que não tem nem um ovo frito pra comer em casa... Mas isso não vale o desprezo estampado em formas de palavras minhas.

Vou perguntar o telefone da tal lojinha e o nome também. Depois posto aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário